“Reforma trabalhista não cria empregos, diz presidente do TST”

“Foi um equívoco alguém um dia dizer que essa lei ia criar empregos”, disse.
À época da aprovação, um dos argumentos era a promessa de geração de mais empregos. Por outro lado, o presidente do TST reconheceu que o número de ações trabalhistas no judiciário diminuiu.
Já Ives Gandra da Silva Martins Filho, presidente do TST na data da aprovação da reforma, chegou a declarar, em 2017, que “para garantia de emprego, tenho que reduzir um pouquinho, flexibilizar um pouquinho os direitos sociais”.
Alguns trechos da reforma trabalhista são alvo de ações no STF e ainda aguardam julgamento.
Ivanildo Souza*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.