Alerta para a prevenção: RN tem mais de 25 mil acidentes de trabalho em cinco anos

0
39

O Rio Grande do Norte registrou, em um intervalo de cinco anos, mais de 25 mil acidentes de trabalho. Os dados consolidados estão no Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, ferramenta online do Ministério Público do Trabalho.  No mesmo período, entre os anos de 2012 e 2017, 146 pessoas morreram em decorrência de acidentes desse tipo. A estimativa é que, de 2012 até hoje, a quantidade de acidentes passe dos 31 mil. Os números chamam atenção para a importância do uso dos Equipamentos de Proteção Individual, os EPIs, que além de serem obrigatórios, fazem a diferença para salvar vidas nos casos de acidente.

Todas as atividades profissionais que possam representar algum tipo de risco físico para o trabalhador devem ser cumpridas com o auxílio de EPIs. Em Natal, as lojas O Borrachão em Lagoa Nova e no Alecrim possuem uma grande variedade de equipamentos de proteção individual, como botas, luvas, máscaras, coletes, cintos, capacetes, óculos, protetores auriculares, capas e aventais. Produtos de qualidade, com a chancela de quem está há 40 anos no mercado potiguar.

“Esses equipamentos de proteção individual só podem ser comercializados e devem ser adquiridos pelas empresas quando eles tem o Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho. Eu recomendo a aquisição desses materiais em lojas que vendam produtos de qualidade no estado, como é o caso das lojas de O Borrachão”, disse o engenheiro de segurança do trabalho, José Luiz Junior, com mais de 20 anos de experiência no mercado local.

Todos esses acessórios são indispensáveis para garantir a saúde e a proteção do trabalhador, evitando consequências mais graves em casos de acidentes de trabalho. O EPI também evita que o profissional seja exposto a doenças que podem comprometer a capacidade de trabalho e de vida durante e depois da fase ativa de trabalho. Os equipamentos de proteção individual devem ser fornecidos de forma gratuita ao trabalhador, como estabelece a norma técnica NR6.

“Nas nossas lojas, além de encontrar toda a variedade de equipamentos, o cliente recebe  assistência técnica para fazer a escolha mais adequada à sua necessidade, ao que é preciso para a atividade de sua empresa. É um investimento necessário que pode ter um impacto fundamental para salvar vidas ou evitar graves sequelas para os trabalhadores que venham a se acidentar”, explica a diretora de relacionamento do grupo O Borrachão, Renalle Diniz Costa.

Acidentes de trabalho em números

Os números são impressionantes e preocupantes, apontando para a necessidade do empreendedor de exigir de sua equipe o uso adequado dos EPIs. Entre os anos de 2012 a 2017, dos 25.756 acidentes de trabalho registrados no RN, 69% resultaram em auxílios-doença, com um impacto previdenciário de mais de R$ 184 milhões e a perda de 4.362.637 dias de trabalho. 146 pessoas morreram durante a atividade profissional. Esses dados foram os últimos consolidados pelo Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho. Mas a ferramenta faz uma estimativa dos números em tempo real. Com 1 acidente de trabalho estimado a cada 2 horas e 2 minutos, o Rio Grande do Norte pode ter ultrapassado os 31.300 acidentes desde 2012. O Observatório também estima 1 morte a cada 14 dias e 12 horas, o que resultaria em 182 óbitos.

Entre os acidentes mais frequentes, estão os cortes, as fraturas, lesões, contusões e esmagamentos. As atividades de atendimento hospitalar, confecção de peças de vestuário, atividades de Correio, comércio varejista e construção de edifícios estão entre os setores econômicos com mais comunicação de acidentes ao Ministério Público do Trabalho.

Assessoria de Comunicação

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here