Covid-19: Mandetta contraria Bolsonaro e reforça urgência de parar o país

Na entrevista de balanço dos 30 dias de casos do novo coronavírus no Brasil, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, contrariou várias vezes o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), dizendo que é preciso aumentar e uniformizar as medidas de isolamento no país.

Segundo Mandetta, se todo mundo sair para a rua ao mesmo tempo, faltarão equipamentos para todos. “Seja pro patrão, seja pro empregado”.

“A gente vai ter que contratar aviões para embarcar produtos na China, para sair de lá e trazer para cá. Mais um motivo para as pessoas ficarem em casa. Porque se todo mundo sair ao mesmo tempo, vai faltar equipamentos”, disse o ministro sobre as dificuldades para importar produtos na China, que saiu do isolamento há poucos dias.

Isolamento já abriu vagas em UTI

Mandetta também disse que as medidas de isolamento já estão contribuindo para diminuir a ocupação de leitos de UTI pelo Brasil, pois estão diminuindo o número de acidentes e de leitos ocupados por vítimas de politraumatismo. Segundo o ministro, o Brasil tem um bom número de leitos, mas com taxa de ocupação alta.

“Quando a gente manda parar, diminuem acidentes, diminuem traumas e aumentam leitos de UTI quando precisarmos. Diminuem politraumatizados na UTI e aumenta espaço para os internados por viroses. Ou seja, mais um benefício quando a gente manda parar, além de diminuir a transmissão”, disse.

Uol*

Gostou? Compartilhe...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Sobre Brasil

Rolar para cima