Padre Júlio Lancellotti diz que Paulo Gustavo doou R$ 1,5 milhão para obras sociais

A notícia do falecimento do ator Paulo Gustavo pegou muitos de surpresa. O artista estava internado desde o dia 13 de março, em estado grave, e sofria de complicações da Covid-19. Em uma publicação no Instagram, o padre Julio Lancellotti relembrou as doações do humorista para a caridade. Segundo o post, Paulo Gustavo doou R$ 1,5 milhão para instituições.

“Paulo Gustavo era um grande benemérito das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid). Paulo Gustavo doou R$ 600 mil para a construção de uma unidade de oncologia da Osid. (…) O apoio não parou por aí. Segundo a superintendente da Osid Maria Rita, Paulo Gustavo doou à instituição um total de 1,5 milhão”; escreveu o religioso.

Paulo Gustavo era devoto de Irmã Dulce, e orou para a santa antes de ser intubado no hospital. O artista conversou com Maria Rita Lopes Pontes, a superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce. Ele solicitava que ela pedisse à Santa Dulce que cuidasse dele e dos seus pulmões. As informações são do jornal Correio. Ele realizava trabalhos sociais para a instituição desde 2017.

A luta de Paulo Gustavo

O estado de saúde de Paulo Gustavo, que faleceu na noite desta terça-feira (4), vinha sendo acompanhado há quase dois meses pelo País, com muitos pedidos de oração e desejo de que o ator se recuperasse da covid-19 e voltasse a fazer os brasileiros rirem. Internado no dia 13 de março, na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital no Rio de Janeiro, ele precisou ser intubado no dia 22 de março, quando necessitou de ventilação mecânica invasiva.

No início desta terça-feira (4), o boletim médico informava que o estado de saúde de Paulo Gustavo vinha “deteriorando de forma importante”, embora, “apesar da irreversibilidade do quadro”, ele ainda se encontrava “com sinais vitais presentes”. No entanto, foi confirmada a morte do ator após às 21h.

Paulo Gustavo deixa mensagem sobre o amor

No final de 2020, Paulo Gustavo gravou um vídeo no Multishow falando sobre a importância do amor. “Enquanto essa vacina tão esperada não chega para todo mundo, é bom lembrar que contra o preconceito, contra a intolerância, a mentira, a tristeza, já existe vacina, é o afeto. É o amor. Então, diga o quanto você ama quem você ama. Mas não fica só na declaração não, ame na prática, na ação. Amar é ação. Amar é arte. Muito amor gente. Até logo”, disse ele.

Folha Patoense*

Gostou? Compartilhe...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Sobre Brasil

Rolar para cima