Gasolina volta subir no RN e trabalhadores ameaçam parar: entenda por que a culpa é do Governo Federal

Desde a última sexta-feira (22), os motoristas que trafegam pela capital potiguar pagam até R$ 5,19 pelo litro da gasolina comum na maioria dos postos de combustíveis na Região Metropolitana. O aumento foi de aproximadamente R$ 0,30. Esse é o valor mais alto praticado em todas as capitais do Nordeste. 

Apesar do reajuste recente, a Petrobras anunciou na terça-feira (26) um novo aumento de 5%. Dessa vez, também houve acréscimo no preço do diesel em 4,4%.

Na manhã desta segunda-feira (1º), motoristas por aplicativo e motofretistas bloquearam parcialmente a avenida Salgado Filho e seguiram numa carreata em protesto contra os constantes reajustes.

O aumento no preço do diesel também têm provocado protestos de caminhoneiros por todo o país. Também nesta segunda-feira, protestos de caminhoneiros em alguns estados do país. No Rio Grande do Norte, parte da BR 304, na altura de Mossoró, chegou a ser bloqueada.

O Sindicato de Petroleiros e Petroleiras do Rio Grande do Norte (Sindipetro RN) declarou apoio ao movimento grevista dos caminhoneiros. “Não vamos pagar o preço do governo incompetente de Jair Bolsonaro, que teve a oportunidade de fazer a tal da “mudança” e só ampliou a crise econômica e social do nosso país”, indica a entidade em manifesto de apoio.

O dirigente da executiva do Sindipetro RN, Pedro Lúcio Góis e Silva explica que o objetivo do movimento é “alterar a política de paridade de preços internacionais que a Petrobras tem adotado”.

Segundo ele, não há intenção de provocar um caos social maior do que já tem ocorrido com a pandemia do novo coronavirus.

“Historicamente os petroleiros têm tido a dimensão do tamanho da sua responsabilidade para com a população brasileira. Nós, em todo esse tempo de paralisações, nos últimos vinte anos, por exemplo, nunca deixamos faltar gás de cozinha ou gasolina, diesel, querosene de aviação em tempos de pandemia ou não, porque nós somos um serviço essencial pra sociedade. […] Nós sempre garantimos que nas nossas paralisações, não faltaria combustível pra população brasileira, porque o nosso objetivo não é prejudicar a população brasileira”, afirma o dirigente.

Caminhoneiros pararam o país em 2018

Em 21 de maio de 2018, após uma série de aumentos no valor do litro do diesel, caminhoneiros autônomos paralisaram as atividades por 10 dias e causaram uma crise no fornecimento de insumos para todo o país. Com o aumento no preço do combustível anunciado esta semana, há especulação sobre novo movimento grevista. 

Na época da grave, classificada como a pior crise enfrentada pelo então presidente Michel Temer, o Governo Federal optou por subsidiar o preço do diesel e reduzir o custo final para a categoria grevista. Isso seria feito via redução de impostos e cortes na área de educação e saúde, segundo informações do jornal O Globo.

No entanto, segundo informações do UOL, ministros do governo teriam garantido que está havendo diálogo com a categoria. Mas, ainda assim, “não se pode menosprezar o potencial de gerar crises”.

Governo do Estado afirma não ter participação nos aumentos

Após repercussão negativa sobre os valores praticados no Rio Grande do Norte, o secretário de Estado de Tributação Carlos Eduardo Xavier utilizou a conta no Twitter para esclarecer que o governo “não tem participação nenhuma nisso”. Em contato com a Agência Saiba Mais, o titular da SET responsabilizou a política de preços fixadas pela Petrobras na gestão Temer e mantida no governo Bolsonaro:  

“Essa variação no preço do combustível é a política de preços que a Petrobras definiu desde o governo Temer, que segue nesse governo de agora, de acompanhar a variação do preço do barril de petróleo no mercado internacional. Isso traz uma instabilidade para o nosso mercado interno porque fica havendo esses aumentos em sequência, tanto para subir [preço] como para descer também. Do ponto de vista do estado do RN, nós não fizemos nenhuma variação nas alíquotas de ICMS nesse período”, respondeu. 

O ICMS é o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação. Os estados são responsáveis pelo recolhimento desse imposto e o valor arrecadado a partir dele deve ser investido em serviços essenciais como segurança, saúde e educação. Do preço cobrado pelo litro do combustível, 29% é relativo ao ICMS.

“Essa variação no preço do combustível é a política de preços que a Petrobras definiu desde o governo Temer, que segue nesse governo de agora, de acompanhar a variação do preço do barril de petróleo no mercado internacional”

Carlos Eduardo Xavier, titular da SET

Fonte: Agência Saiba Mais

Gostou? Compartilhe...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Sobre Rio Grande do Norte

Rolar para cima